PUBLICAR NO PORTAL | ANUNCIE
 
Biblioteca
Abastecimento de Água
Bioenergia
Caldeira
Cursos & Eventos
Desmineralização
Hidrografia / Hidrologia
LEED / Green Building
Legislação
Meio Ambiente
Membranas Filtrantes
Metodologias de Análises
Projeto e Consultoria
Resíduos Sólidos
Reúso de Água
Saneamento
Tratamento de Água
Tratamento de Chorume
Tratamento de Efluentes
Tratamento de Esgoto
Zeólitas
  MAPA DO SITE | Home / Biblioteca / Determinação da Turb...

13/11/2008 08:21:01
Determinação da Turbidez
Compartilhar

A determinação da turbidez pelo método nefelométrico, é adotado nas atividades de controle de poluição da água e de verificação do parâmetro físico nas águas consideradas potáveis.


O método é baseado na comparação da intensidade de luz espalhada pela amostra em condições definidas, com a intensidade da luz espalhada por uma suspensão considerada padrão.


Quanto maior a intensidade da luz espalhada maior será turbidez da amostra analisada. O turbidímetro é o aparelho utilizado para a leitura, este aparelho é constituído de um nefelômetro, sendo a turbidez expressa em unidades nefelométricas de turbidez (UNT).


O nefelômetro consta de um fonte de luz, para iluminar a amostra e um detector fotoelétrico com um dispositivo para indicar a intensidade da luz espalhada em ângulo reto ao caminho da luz incidente.


As amostras para analise de turbidez devem ser coletadas em fracos de plástico ou de vidro. Recomenda-se que as análises sejam realizadas num período Maximo de 24 horas, as amostras devem ser guardadas no escuro.


O aparelho deve detectar diferenças de turbidez de 0,02 unidades para águas com turbidez menor que 1 (uma) unidade, a turbidez máxima a ser medida é 40 UNT, sendo necessário realizar diluições se a medida da turbidez for superar ao valor máximo.


Como interferências ressaltamos a presença de detritos e materiais grosseiros em suspensão que se depositam rapidamente, que resultará resultados mais baixos a cor verdadeira interfere negativamente devido à sua propriedade de absorver luz as bolhas pequenas provocarão resultados superestimados.



MATERIAL


Turbidímetro com um nefelômetro
Tubo para amostra, de vidro incolor


REAGENTE


2.1) Água insenta de turbidez


Passar a água destilada através de um filtro de membrana de porosidade de 0,45 microns.


2.2) Suspensão estoque de turbidez


Solução (1) – dissolver 1,00 g de sulfato de hidrazina, em água destilada e diluir a 100 mL em balão volumétrico.
Solução (2) – dissolver 10,00 g de hexametilenotretamina em água destila e diluir a 100mL, em balão volumétrico.


Em balão volumétrico de 100 mL, misturar 5,0 mL da solução 1 e 5,0 mL da solução 2. Deixar a 25º C, durante 24 horas e completar com água destilada, homogeneizar. A turbidez desta solução é definida como sendo 40 UNT.


2.3) Soluções padrões diluídas de turbidez


Com a suspensão padrão de turbidez de 40 UNT, utilizando água destilada como diluente, realizar as diluições desejadas.


PROCEDIMENTO
- Calibrar o aparelho de acordo com as instruções do fabricante e medir os padrões no turbidímetro, cobrindo todas as faixas de interesses e preparar curvas de calibração dentro do interesse das amostras.
- Turbidez menor que 40 unidades
- Agitar a amostra a fim de dispersar os sólidos. Após o desaparecimento das bolhas de ar, colocar a amostra no turbidímetro.
- Turbidez maior que 40 unidades
- Diluir a amostra com um ou mais volumes de água isenta de turbidez, de modo que, as leituras estejam dentro da faixa desejada.


CÁLCULO


TURBIDEZ (UNT) = A x F
A= leitura da amostra
F= fator da diluição


PROCEDIMENTOS BÁSICOS


Operação do turbidímetro


A- Procedimento de operação


1- Verificar a voltagem indicada na placa de características localizada junto ao cabo de força ( 120 V ) e ligar somente nesta voltagem. Podendo fazer a leitura utilizando a bateria .
2- Selecionar a faixa de 20 NTU através da chave seletora de faixas.
3- Introduzir o tubo do padrão de 10 NTU na câmara e fecha-la com a tampa, limpado o tubo com papel absorvente macio antes. A marca contida no tubo de ficar sempre voltada para frente.
4- Calibrar o aparelho, girando o botão calibração (STANDARDIZE).
5- Desligar o aparelho, utilizando somente a chave seletora de faixas (OFF).
6- Rinsar o tubo com a amostra a ser analisada, evitando a formação de bolhas. Completar o tubo com a amostra até quase o gargalo. Fechar com a tampa pareada e marcada e limpar o tubo com papel absorvenet macio.
7- Inserir o tubo na câmara e fecha-la. Selecionar a faixa apropriada através da chave seletora de faixa.
8- Assim que a leitura estabilizar, anotar o valor em NTU.


B- Observações:


1- O LED verde no painel significa que um tubo está colocado na câmara e o aparelho está funcionando.


2- Se a turbidez da amostra for superior a 200 NTU, a amostra deverá ser diluída com água isenta de turbidez e testada novamente. Multiplique o valor obtido pelo fator de diluição empregado.


3- Preparo de água isenta de turbidez:
3.1- Abrir o fecho de rosca do porta filtros e colocar uma membrana filtrante branca sobre a tela no interior do porta filtros. Recolocar a parte superior do porta filtros.
3.2- Remover o êmbulo da seringa, roda-lo de modo a prende-lo na seringa.
3.3- Encher a seringa com água deionizada ou destilada, recolocar o êmbulo e pressiona-lo levemente. Recolher a água em um frasco de vidro completamente limpo.
3.4- Repetir os passos 3.2 e 3.3 até a obtenção de uma quantidade satisfatória.


Examinar periodicamente a membrana para verificar a necessidade de substituí-la.


Águas preparadas por este procedimento podem ser armazenadas em um frasco limpo, com tampa, em ambiente escuro e à temperatura ambiente. Deve-se tomar o cuidado de verificar a presença de partículas ou materiais estranhos antes de utiliza-la.


Acervo: Enasa Engenharia (http://www.enasaeng.com.br)


Compartilhar
Clique aqui e comente


Mais Informações sobre o assunto

Governo divulga metodologias de uso sustentá...
CONFIRMADO - CURSO ANÁLISE DE LABORATÓRIO
ÚLTIMAS VAGAS !! CURSO Análise de Laboratóri...
Pai do Plano Real contradiz previsões catast...
AQUAMEC - Alta tecnologia no processo de fab...
Mais bibliotecas

Saneamento: muito a ser feito
Um estudo inédito sobre desenvolvimen...
Implantação Logística Reversa
A Política Nacional de Resíduos Sólid...
Características da nova geração de leito móvel (CFIC)
Conheça uma nova geração de leito móv...
Efluentes domésticos e industriais: você conhece as diferenças?
O grande segredo para uma boa relação...
Situação das Reservas e Utilização das Águas Subterrâneas na Região Metro...
Tendo como cenário a situação de estr...
 
Busca avançada
 
Nota:  até 
 
Impressões:  até 
 
Publicada entre:
 até 
 
Tipo:
 
Categoria:     
 
 
 
 

Comentário:


 

Av. do Café, 130, salas 33 e 34
São Paulo - SP - CEP: 04311-000
Tel.: (11) 3473.1207 / (11) 3562.0436
Acompanhe o portal nas redes sociais.