PUBLICAR NO PORTAL | ANUNCIE
 
Biblioteca
Abastecimento de Água
Bioenergia
Caldeira
Cursos & Eventos
Desmineralização
Hidrografia / Hidrologia
LEED / Green Building
Legislação
Meio Ambiente
Membranas Filtrantes
Metodologias de Análises
Projeto e Consultoria
Resíduos Sólidos
Reúso de Água
Saneamento
Tratamento de Água
Tratamento de Chorume
Tratamento de Efluentes
Tratamento de Esgoto
Zeólitas
  MAPA DO SITE | Home / Notícias / De água de rio a águ...

18/01/2011 11:32:58
De água de rio a água potável

Publicado por Regina Helena Porto Francisco - Professora Dra. do IQSC-USP - Instituto de Química de São Carlos da Universidade de São Paulo - e-mail: porto@iqsc.usp.br - http://cdcc.usp.br/ciencia/
Compartilhar
Publicidade  

Sempre é bom alertar! A água dos rios está sendo usada pela população das grandes cidades. Esta água é coletada, tratada e volta para o rio através dos esgotos domésticos e industriais. O resultado é que os rios estão ficando cada vez mais sujos e poluídos.


A água retirada de depósitos subterrâneos é relativamente limpa e pura, mas graças ao descaso com que tratamos a natureza, já está sendo poluída também. Assegurar água potável adequada ao consumo humano é uma das maiores preocupações dos dirigentes das grandes cidades.

A água para consumo doméstico deve ser isenta de cor, cheiro, sólidos em suspensão, compostos tóxicos e de bactérias. E o tratamento feito em cada cidade depende da qualidade da água disponível em cada município. Vamos ver a seqüência dos principais passos seguidos durante o procedimento básico habitual.

Inicialmente a água retirada do rio é aerada borbulhando-se oxigênio para a remoção de gases indesejáveis que normalmente estão dissolvidos nela. Um desses pode ser, por exemplo, o malcheiroso gás sulfídrico, H2S. A aeração também oxida alguns compostos orgânicos a gás carbônico e oxida os íons de Fe2+ a Fe3+. A água não aerada tem sabor desagradável típico, como o de água de poço.

Depois se faz a adição de cal hidratada (hidróxido de cálcio) que reduz a acidez e precipita íons como Mg2+, Fe3+ e metais pesados, que formam compostos insolúveis.

Em algumas regiões, devido à composição do terreno, a água contém grandes quantidades de íons de cálcio e magnésio dissolvidos, na forma de bicarbonatos. A água é chamada "água dura" e precisa ser "amolecida". Estes cátions reagem com o sabão e detergente, formando uma escuma difícil de ser retirada durante a lavagem. Eles também precipitam em aparelhos usados para fervura. Por exemplo, provocam o aparecimento de crostas no fundo da chaleira.

Os bicarbonatos de cálcio e magnésio podem ser removidos por reação com o hidróxido de cálcio, formando carbonatos de cálcio e de magnésio que são pouco solúveis em água. Após esta etapa de aeração e adição de cal hidratada, a água é bombeada para um tanque.

Os sólidos tendem a formar pós finos que ficam em suspensão na água e então se adiciona sulfato de ferro ou de alumínio (alúmem) para "coagular" ou "flocular" o precipitado. A coagulação consiste em juntar os íons para formar partículas maiores que podem ser filtradas. A floculação consiste em agregar partículas com formação de um gel. O alumínio, em solução básica, forma íons [Al(OH)4]- que gelificam. A adição de gás carbônico acidifica o meio e promove a precipitação do hidróxido de alumínio, Al(OH)3, pouco solúvel.

Conforme estes sólidos vão se formando e depositando no fundo do tanque eles viabilizam a adsorção de carbonato de cálcio, bactérias, algas e de outras partículas em suspensão. A adsorção é um processo em que uma substância se liga à superfície de um sólido, ficando grudada sobre ele.

O processo que faz os compostos pouco solúveis irem para o fundo do tanque é chamado decantação. A água mais limpa fica sobre o sólido decantado e é passada então, por filtros de areia para retirar partículas que ainda ficaram em suspensão.

A água dos rios contém também substâncias orgânicas que vêm ao próprio solo ou de esgotos não tratados. Para retirá-las usa-se um filtro de carvão ativo. Isto é carvão muito limpo e em pó muito fino, portanto com superfície porosa muito grande que adsorve sobre ela os compostos orgânicos presentes na água. Atualmente os bons filtros à vela para uso doméstico são ocos e contêm carvão ativo no seu interior.

O nível de acidez da água é então verificado e ajustado para valor ligeiramente básico para evitar desgaste da rede hidráulica. Neste momento, são feitas adições de cloro, um desinfetante altamente tóxico para bactérias, mas não para o ser humano nas quantidades utilizadas, geralmente 1 grama de cloro por tonelada de água. Também é feita a adição de flúor que protege os dentes e diminui a incidência de cárie dentária na população. Em cidades que fazem tratamentos com mais recursos, a água também passa por resinas que trocam cátions e ânions, deixando-a mais limpa.

A água limpa é fundamental para a sobrevivência da humanidade e nós brasileiros, nos acostumamos à fartura da boa água. Mas é preciso ter em mente que, se usarmos água limpa da natureza e a devolvermos suja, em algum tempo não haverá mais água limpa. Por exemplo, as águas dos rios já não são tão limpas. O ser humano é inteligente e precisa ser educado para reconhecer a importância da água e aprender a cuidar dela, garantindo a sobrevivência de nossos descendentes.

© Revista Eletrônica de Ciências

Participe do curso Estudos e Modelagem da Qualidade da Água de Rios com Marcos Von Sperling e Saiba Mais!

Compartilhar
Clique aqui e comente


Mais Informações sobre o assunto

Mais notícias

Rio Piracicaba amanhece coberto de espuma e Cetesb culpa estiagem
O Rio Piracicaba amanheceu coberto po...
Especialista da ANA fala sobre combate à seca na Câmara
O superintendente adjunto de Regulaçã...
Água e a escassez de gestão pública
A população de São Paulo sofre outra ...
Governo chama empresas para doar créditos de carbono na Copa do Mundo
Os gases de efeito estufa emitidos pe...
União Europeia quer reduzir em 80% o consumo de sacolas plásticas
A União Europeia (UE) quer diminuir d...
 
Busca avançada
 
Nota:  até 
 
Impressões:  até 
 
Publicada entre:
 até 
 
 
 

Comentário:


 

Av. do Café, 130, salas 33 e 34
São Paulo - SP - CEP: 04311-000
Tel.: (11) 3473.1207 / (11) 3562.0436
Acompanhe o portal nas redes sociais.