PUBLICAR NO PORTAL | ANUNCIE
 
Biblioteca
Abastecimento de Água
Bioenergia
Caldeira
Cursos & Eventos
Desmineralização
Hidrografia / Hidrologia
LEED / Green Building
Legislação
Meio Ambiente
Membranas Filtrantes
Metodologias de Análises
Projeto e Consultoria
Resíduos Sólidos
Reúso de Água
Saneamento
Tratamento de Água
Tratamento de Chorume
Tratamento de Efluentes
Tratamento de Esgoto
Zeólitas
  MAPA DO SITE | Home / Notícias / De água de rio a águ...

18/01/2011 11:32:58
De água de rio a água potável

Publicado por Regina Helena Porto Francisco - Professora Dra. do IQSC-USP - Instituto de Química de São Carlos da Universidade de São Paulo - e-mail: porto@iqsc.usp.br - http://cdcc.usp.br/ciencia/
Compartilhar
Publicidade  

Sempre é bom alertar! A água dos rios está sendo usada pela população das grandes cidades. Esta água é coletada, tratada e volta para o rio através dos esgotos domésticos e industriais. O resultado é que os rios estão ficando cada vez mais sujos e poluídos.


A água retirada de depósitos subterrâneos é relativamente limpa e pura, mas graças ao descaso com que tratamos a natureza, já está sendo poluída também. Assegurar água potável adequada ao consumo humano é uma das maiores preocupações dos dirigentes das grandes cidades.

A água para consumo doméstico deve ser isenta de cor, cheiro, sólidos em suspensão, compostos tóxicos e de bactérias. E o tratamento feito em cada cidade depende da qualidade da água disponível em cada município. Vamos ver a seqüência dos principais passos seguidos durante o procedimento básico habitual.

Inicialmente a água retirada do rio é aerada borbulhando-se oxigênio para a remoção de gases indesejáveis que normalmente estão dissolvidos nela. Um desses pode ser, por exemplo, o malcheiroso gás sulfídrico, H2S. A aeração também oxida alguns compostos orgânicos a gás carbônico e oxida os íons de Fe2+ a Fe3+. A água não aerada tem sabor desagradável típico, como o de água de poço.

Depois se faz a adição de cal hidratada (hidróxido de cálcio) que reduz a acidez e precipita íons como Mg2+, Fe3+ e metais pesados, que formam compostos insolúveis.

Em algumas regiões, devido à composição do terreno, a água contém grandes quantidades de íons de cálcio e magnésio dissolvidos, na forma de bicarbonatos. A água é chamada "água dura" e precisa ser "amolecida". Estes cátions reagem com o sabão e detergente, formando uma escuma difícil de ser retirada durante a lavagem. Eles também precipitam em aparelhos usados para fervura. Por exemplo, provocam o aparecimento de crostas no fundo da chaleira.

Os bicarbonatos de cálcio e magnésio podem ser removidos por reação com o hidróxido de cálcio, formando carbonatos de cálcio e de magnésio que são pouco solúveis em água. Após esta etapa de aeração e adição de cal hidratada, a água é bombeada para um tanque.

Os sólidos tendem a formar pós finos que ficam em suspensão na água e então se adiciona sulfato de ferro ou de alumínio (alúmem) para "coagular" ou "flocular" o precipitado. A coagulação consiste em juntar os íons para formar partículas maiores que podem ser filtradas. A floculação consiste em agregar partículas com formação de um gel. O alumínio, em solução básica, forma íons [Al(OH)4]- que gelificam. A adição de gás carbônico acidifica o meio e promove a precipitação do hidróxido de alumínio, Al(OH)3, pouco solúvel.

Conforme estes sólidos vão se formando e depositando no fundo do tanque eles viabilizam a adsorção de carbonato de cálcio, bactérias, algas e de outras partículas em suspensão. A adsorção é um processo em que uma substância se liga à superfície de um sólido, ficando grudada sobre ele.

O processo que faz os compostos pouco solúveis irem para o fundo do tanque é chamado decantação. A água mais limpa fica sobre o sólido decantado e é passada então, por filtros de areia para retirar partículas que ainda ficaram em suspensão.

A água dos rios contém também substâncias orgânicas que vêm ao próprio solo ou de esgotos não tratados. Para retirá-las usa-se um filtro de carvão ativo. Isto é carvão muito limpo e em pó muito fino, portanto com superfície porosa muito grande que adsorve sobre ela os compostos orgânicos presentes na água. Atualmente os bons filtros à vela para uso doméstico são ocos e contêm carvão ativo no seu interior.

O nível de acidez da água é então verificado e ajustado para valor ligeiramente básico para evitar desgaste da rede hidráulica. Neste momento, são feitas adições de cloro, um desinfetante altamente tóxico para bactérias, mas não para o ser humano nas quantidades utilizadas, geralmente 1 grama de cloro por tonelada de água. Também é feita a adição de flúor que protege os dentes e diminui a incidência de cárie dentária na população. Em cidades que fazem tratamentos com mais recursos, a água também passa por resinas que trocam cátions e ânions, deixando-a mais limpa.

A água limpa é fundamental para a sobrevivência da humanidade e nós brasileiros, nos acostumamos à fartura da boa água. Mas é preciso ter em mente que, se usarmos água limpa da natureza e a devolvermos suja, em algum tempo não haverá mais água limpa. Por exemplo, as águas dos rios já não são tão limpas. O ser humano é inteligente e precisa ser educado para reconhecer a importância da água e aprender a cuidar dela, garantindo a sobrevivência de nossos descendentes.

© Revista Eletrônica de Ciências

Participe do curso Estudos e Modelagem da Qualidade da Água de Rios com Marcos Von Sperling e Saiba Mais!

Compartilhar
Clique aqui e comente


Mais Informações sobre o assunto

Mais notícias

Cidades no interior de SP furam poços para evitar falta de água
Em diversas regiões de São Paulo, os ...
Lagoa do Taquaral perdeu 2/3 da capacidade em 30 anos, diz Prefeitura de C...
O tom esverdeado da água da Lagoa do ...
Além de Sigefredo e Cocal, outras cidades do PI podem ter água contaminada
Após denúncia feita em 2013, a Secre...
Sabesp quer tirar mais água de volume morto do Cantareira
A proposta da Companhia de Saneamento...
E quando a última gota cair? 6 perguntas sobre a crise em SP
Assim como futebol e política, “água”...
 
Busca avançada
 
Nota:  até 
 
Impressões:  até 
 
Publicada entre:
 até 
 
 
 

Comentário:


 

Av. do Café, 130, salas 33 e 34
São Paulo - SP - CEP: 04311-000
Tel.: (11) 3473.1207 / (11) 3562.0436
Acompanhe o portal nas redes sociais.