PUBLICAR NO PORTAL | ANUNCIE
 
Biblioteca
Abastecimento de Água
Bioenergia
Caldeira
Cursos & Eventos
Desmineralização
Hidrografia / Hidrologia
LEED / Green Building
Legislação
Meio Ambiente
Membranas Filtrantes
Metodologias de Análises
Projeto e Consultoria
Resíduos Sólidos
Reúso de Água
Saneamento
Tratamento de Água
Tratamento de Chorume
Tratamento de Efluentes
Tratamento de Esgoto
Zeólitas
  MAPA DO SITE | Home / Notícias / Gás de xisto ameaça ...

08/10/2013 13:51:57
Gás de xisto ameaça águas subterrâneas

Publicado por http://www.agsolve.com.br/
Compartilhar
Publicidade  
 Cientistas brasileiros enviaram uma carta ao governo pedindo a suspensão do leilão da ANP previsto para novembro

A proximidade entre alguns dos mais importantes aquíferos subterrâneos do país e as áreas com potencial para a descoberta de reservas não convencionais de óleo e gás, como o gás de xisto, levou cientistas brasileiros a reivindicar a suspensão de concessões com esse tipo de reservas.

A ANP diz que a licitação tem por objetivo ampliar o conhecimento do subsolo brasileiro. Foto: Diego Giudice/Bloomberg

A ANP diz que a licitação tem por objetivo ampliar o conhecimento do subsolo brasileiro. Foto: Diego Giudice/Bloomberg

O objetivo é intensificar estudos sobre a atividade para evitar a contaminação da água usada para consumo humano e irrigação. A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) planeja para novembro a primeira rodada de licitações de áreas com potencial para reservas não convencionais.

O pedido de suspensão do leilão foi feito pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e a Academia Brasileira de Ciências (ABC), em carta endereçada à Presidência da República, ministérios e autarquias relacionados à área energética . "Embora a tecnologia de extração tenha se desenvolvido muito, é preciso aprofundar estudos sobre as áreas", diz o coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Energia e Meio Ambiente e professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Jaílson Andrade. "As principais reservas estão abaixo de alguns dos principais aquíferos brasileiros", completa.

Andrade cita como exemplo a Bacia do Paraná, considerada uma das mais promissoras para a busca por reservas não convencionais, que está sob o Aquífero Guarani, como é conhecido um complexo de mananciais subterrâneos que ocupa uma área de 1,2 milhão de quilômetros quadrados do Mato Grosso ao Uruguai, passando por outros sete estados brasileiros, pelo leste do Paraguai e o nordeste da Argentina. A bacia foi incluída entre as áreas que serão ofertadas no leilão, segundo resolução publicada pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) no início de agosto.

Além do Paraná, serão licitadas áreas nas bacias do Acre, Parecis (MT), São Francisco (MG), e Parnaíba (MA/PI). Em todos os casos, há mananciais subterrâneos, como Solimões, Parecis, Urucuia e Itapecuru, respectivamente. Além do risco de contaminação pelos poços, diz Andrade, é preciso estudar a origem e o destino da água utilizada no processo de fraturamento hidráulico, tecnologia para ampliar a recuperação de óleo e gás em jazidas não convencionais - assim chamadas porque não se encontram em reservatórios com pouca porosidade.

O fraturamento hidráulico provoca rachaduras na rocha, permitindo a saída do gás. Para isso, usa grandes volumes de água, areia e componentes químicos. Nos Estados Unidos, onde a atividade cresceu exponencialmente nos últimos anos, há uma série de denúncias com relação à contaminação de mananciais com componentes químicos usados na perfuração dos poços. "Em tese, temos uma legislação ambiental e regulatória que é mais que suficiente (para garantir a exploração de jazidas não convencionais). Mas sempre que surge uma tecnologia nova, surge a necessidade de nova regulação", comenta a advogada especialista Andrea Carrasco, do escritório Dannemann Siemsen.

Ela cita a definição de competências entre os órgãos ambientais como uma das questões pendentes. Por se tratar de exploração em terra,diz ela, a competência é estadual, mas o Instituto Nacional do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) pode vir a ter algum papel no licenciamento. Até o momento, a empresa que mais perto chegou da exploração de gás de xisto no Brasil é a Petra, que tem descobertas no norte de Minas Gerais mas ainda avalia o plano de desenvolvimento das jazidas.

A ANP diz que a licitação tem por objetivo ampliar o conhecimento do subsolo brasileiro, com a busca de informações sobre o potencial de reservas não convencionais. Estudo concluído em agosto pela consultoria Advanced Resources International, sob encomenda da Agência de Informações em Energia do governo dos Estados Unidos (EIA, na sigla em inglês), coloca o Brasil na 10ª posição entre os países mais promissores neste segmento, com recursos potenciais de 245 trilhões de pés cúbicos - ou quase 7 trilhões de metros cúbicos, sete vezes as reservas provadas de gás no país atualmente.

Nos Estados Unidos, a produção de gás de xisto é vista como um importante passo para a redução da dependência energética do país. Os efeitos econômicos da atividade, como geração de empregos e, principalmente, a redução do preço da energia são usados como argumento para defender a aceleração da exploração no Brasil. "No nosso caso, por melhor que seja a exploração, não temos como chegar ao preço do gás verificado nos Estados Unidos, porque não temos a malha de gasodutos que eles têm", rebate o professor Andrade. "Além disso, temos outras frentes, como o pré-sal e o etanol. Estão colocando urgência em uma coisa que não é urgente."

Argentina é a mais nova aposta mundial do setor

A chegada das gigantes mundiais Exxon e Chevron situa a Argentina como a mais nova aposta na exploração de reservas não convencionais de petróleo e gás natural. As duas empresas assinaram este ano acordos para desenvolver reservas na promissora Bacia de Neuquén, na região da Patagônia. A Petrobras também faz planos para iniciar atividades em busca de reservatórios não convencionais no país vizinho.

Segundo relatório da Advanced Resources International, a Argentina ocupa a terceira posição entre os países com maior potencial para gás não convencional - atrás de Estados Unidos e China - com reservas estimadas em 802 trilhões de pés cúbicos (o equivalente a 22,7 trilhões de metros cúbicos). O mesmo estudo indica que o potencial do país para óleo não convencional é de 32 bilhões de barris, o quarto maior do mundo.

Segundo os especialistas, a Argentina já tem duas grandes províncias identificadas, Vaca Muerta e Los Molles, ambas em Neuquén. Vaca Muerta é a primeira a atrair as gigantes norte-americanas. A Chevron, por exemplo, tem um acordo com a estatal local YPF de investimento de US$ 1,5 bilhão no desenvolvimento da região, com a perfuração de 100 poços em 2014 e outros 1,5 mil poços futuros para atingir uma produção de 50 mil barris e 3 milhões de metros cúbicos de gás por dia.

Já a Exxon se associou à Americas Petrogas para avaliar uma área de 1,2 mil quilômetros quadrados na bacia. "Acreditamos que o próximo grande desenvolvimento de não convencionais fora dos Estados Unidos se dará na Bacia de Neuquén", disse o diretor gerente da Americas Petrogas na Argentina, Guimar Vaca Coca, no comunicado que anunciou a parceria. A Argentina produz hoje cerca de 10 mil barris por dia de petróleo não convencional.

Com dificuldades para garantir o suprimento de gás natural, principalmente no inverno, o país vem tentando reconquistar a confiança dos investidores estrangeiros, que deixaram o país após o início de uma onda de congelamento de preços e estatizações de empresas.

Fonte: Brasil Econômico


Compartilhar
Clique aqui e comente


Mais Informações sobre o assunto

Mais notícias

Rio Piracicaba amanhece coberto de espuma e Cetesb culpa estiagem
O Rio Piracicaba amanheceu coberto po...
Especialista da ANA fala sobre combate à seca na Câmara
O superintendente adjunto de Regulaçã...
Água e a escassez de gestão pública
A população de São Paulo sofre outra ...
Governo chama empresas para doar créditos de carbono na Copa do Mundo
Os gases de efeito estufa emitidos pe...
União Europeia quer reduzir em 80% o consumo de sacolas plásticas
A União Europeia (UE) quer diminuir d...
 
Busca avançada
 
Nota:  até 
 
Impressões:  até 
 
Publicada entre:
 até 
 
 
 

Comentário:


 

Av. do Café, 130, salas 33 e 34
São Paulo - SP - CEP: 04311-000
Tel.: (11) 3473.1207 / (11) 3562.0436
Acompanhe o portal nas redes sociais.