PUBLICAR NO PORTAL | ANUNCIE
 
Biblioteca
Abastecimento de Água
Bioenergia
Caldeira
Cursos & Eventos
Desmineralização
Hidrografia / Hidrologia
LEED / Green Building
Legislação
Meio Ambiente
Membranas Filtrantes
Metodologias de Análises
Projeto e Consultoria
Resíduos Sólidos
Reúso de Água
Saneamento
Tratamento de Água
Tratamento de Chorume
Tratamento de Efluentes
Tratamento de Esgoto
Zeólitas
  MAPA DO SITE | Home / Notícias / União garante R$ 1,5...

06/12/2013 13:40:09
União garante R$ 1,5 milhões para UFT monitorar qualidade da água do Lago, no TO

Publicado por http://www.agsolve.com.br/
Compartilhar
Publicidade  
 No último mês de setembro, o MPA abriu licitação e concorrência pública para a cessão de águas da União no reservatório da Usina Hidrelétrica de Lajeado

A Secretaria de Planejamento e Ordenamento da Aquicultura (Sepoa) do Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA) vai ampliar as ações de monitoramento da qualidade da água utilizada na criação de pescado. Por meio de cooperação técnica com a Universidade Federal do Tocantins (UFT), o governo federal aplicará R$ 1,5 milhão em medidas de controle da qualidade da água nos parques aquícolas de Lajeado (TO). O principal objetivo é garantir a saúde das espécies cultivadas nas águas do reservatório; entre elas, o tambaqui, cuja produção na Bacia do Rio Tocantins foi liberada pelo Ibama, em dezembro do ano passado, graças à atuação da Sepoa.

 “Na mesma escala de importância que o adequado gerenciamento dos parques aquícolas está o monitoramento da qualidade da água onde os peixes são criados”, observa a secretária nacional de Planejamento e Ordenamento da Aquicultura, Maria Fernanda Nince. “O desenvolvimento sustentável da aquicultura está diretamente relacionado à qualidade da água utilizada no cultivo do pescado. Daí, a importância do constante monitoramento das propriedades físicas, químicas e biológicas da água dos reservatórios onde estão inseridos os parques aquícolas”, completa Nince.

Pelo acordo de cooperação – cujas ações já começam a ser executadas no próximo mês de janeiro – a UFTO ficará responsável pelo acompanhamento limnológico (especificamente, da qualidade da água) e da ictiofauna (conjunto das espécies de peixes que vivem numa determinada região biográfica) no reservatório da Usina Hidrelétrica de Lajeado. O objetivo é prevenir qualquer possibilidade de degradação ambiental ou riscos à saúde animal, que podem ser ocasionados pelas consequências da produção de pescado em tanques-rede (gaiolas). A partir do monitoramento da água, a universidade terá condições de evitar, por exemplo, que resíduos da aquicultura (como ração e excrementos) sejam lançados no ambiente sem o devido tratamento.

A cooperação técnica entre o MPA e a Universidade Federal do Tocantins tem vigência até dezembro de 2015 e será coordenada pelo corpo docente do Curso de Engenharia Ambiental da UFTO, com possui 21 doutores e dois mestres. Além disso, a universidade conta com estrutura física composta por cinco laboratórios: de Microbiologia Ambiental e Biotecnologia (Lambio); de Caracterização e Impactos Ambientais; de Hidrologia; de Fitoquímica e Farmacologia (Lafifa) e de Ictiologia.

As ações de controle da qualidade da água utilizada em aquicultura nos parques de Lajeado serão supervisionadas, acompanhadas e avaliadas pelo MPA. O reservatório possuiu uma capacidade estimada de produção aquícola de 720 toneladas por ano de pescado.

Parques aquícolas – No último mês de setembro, o MPA abriu licitação e concorrência pública para a cessão de águas da União no reservatório da Usina Hidrelétrica de Lajeado. Das 263 áreas não-onerosas (fins sociais/aquicultura familiar) e onerosas (fins comerciais/empresariais) oferecidas pelo governo federal, 251 receberam propostas válidas. Doze áreas aquícolas não-onerosas serão novamente licitadas em momento oportuno.

A estimativa é que a aquicultura nestas áreas - localizadas dentro dos parques aquícolas de Santa Luzia, Brejinho 1 e 2, Miracema e Sucupira - resulte em 22,5 mil toneladas anuais de peixes das espécies Tambaqui, Pacu, Piauçu, Pirapitinga, Lambari, Pirarucu, Pirarara e Jurupensém.  As 263 áreas aquícolas somam 133 hectares, onde serão criados aproximadamente dois mil empregos imediatos (diretos e indiretos).

Os vencedores da concorrência pública/licitação têm prazo de seis meses para iniciar o projeto de aquicultura. A cessão de uso das áreas vigora por 20 anos, prazo que pode ser prorrogado por igual período.

Renaqua – No mês passado, o ministro da Pesca e Aquicultura, Marcelo Crivella, anunciou a Universidade de São Paulo (USP) como coordenadora da Rede de Colaboração em Epidemiologia Veterinária do Ministério da Pesca e Aquicultura (Aaquaepi). O ministro também assinou portaria autorizando o credenciamento de médicos veterinários, em todo o país, para a coleta de amostras e material biológico para análises sanitárias na Rede Nacional de Laboratórios Oficiais do Ministério da Pesca e Aquicultura (Renaqua). As medidas têm como objetivo defender a produção nacional de doenças e outros possíveis problemas sanitários.

A Renaqua foi criada no ano passado e está inserida na política de sanidade animal para o pescado, que oferece bases para o crescimento sustentado da produção aquícola brasileira. Até o momento, a Renaqua realizou mais de 4,2 mil análises. Além disso, a Rede é capaz de identificar todas as 26 enfermidades monitoradas internacionalmente e passíveis de notificação à Organização Internacional de Epizootias  (OIE) e outras 12 com impacto sobre a produção da aquicultura, além de quatro biotoxinas marinhas.

Fonte: O Girassol


Compartilhar
Clique aqui e comente


Mais Informações sobre o assunto

Obras vão afetar abastecimento de água de 67...
ÁGUAS SUBTERRÂNEAS SÃO PRINCIPAL FONTE DE ÁG...
Tão longe da água, tão perto do canal
Reserva de água do norte Índia está se esgot...
Sanesul recomenda economia de água
Mais notícias

Engenheiro analisa ciclo das águas em aquíferos
Era para ser um estudo de caso, como ...
Com seca, cresce procura por poços em SP
A seca nos principais mananciais pau...
Mesmo na crise, Copasa ainda desperdiça 35% de sua água
Gestão eficiente do recurso hídrico d...
Como aumentar a oferta de água
Em função da agressão ambiental, a Te...
Os ‘sem água’ de São Paulo
A nordestina que assistia televisão c...
 
Busca avançada
 
Nota:  até 
 
Impressões:  até 
 
Publicada entre:
 até 
 
 
 

Comentário:


 

Av. do Café, 130, salas 33 e 34
São Paulo - SP - CEP: 04311-000
Tel.: (11) 3473.1207 / (11) 3562.0436
Acompanhe o portal nas redes sociais.