Biblioteca

Atributos químicos do solo irrigado com efluente de esgoto tratado, fertirrigação convencional e água de poço

Publicado em 09/05/2017 às 16:22:18

Resumo

A irrigação com efluente de esgoto tratado apresenta potencial para a irrigação de culturas agrícolas, com disponibilização de nutrientes ao solo, influenciado pela forma de aplicação. Objetivou com este trabalho investigar os atributos químicos nas camadas de solo de 0 a 0,2 m e 0,2 a 0,4 m, irrigado por gotejamento superficial (Ig) e microaspersão (Im), utilizando efluente de esgoto tratado (Eet), fertirrigação convencional (Fc) e água de poço (Ap). O experimento foi desenvolvido no período de outubro de 2009 a novembro de 2010 em área cultivada com banana, cv. Grand Naine. O delineamento estatístico foi em blocos casualizados, em arranjo fatorial 3 x 2, com quatro repetições. A irrigação por gotejamento e microaspersão influencia de maneira diferente no teor de alguns atributos químicos do solo; a maioria dos atributos químicos avaliados no solo eleva-se significativamente nos três tipos de água e nas duas camadas de solo avaliadas; os teores de sódio e de boro reduziram ou permaneceram estáveis no solo; a aplicação de Eet, por gotejamento, eleva de maneira mais acentuada os teores de fósforo, enxofre, acidez total e saturação de bases na camada de solo de 0 a 0,2 m e na microaspersão, na camada de 0,2 a 0,4 m.

Introdução

O crescimento da população e a melhoria da qualidade de vida das pessoas tende a elevar o consumo de água e a reduzir a oferta per capita progressivamente. Entre os diversos setores, a agricultura é a maior usuária de água retirada de rios e reservatórios naturais e artificiais (PEREIRA, 2011). Diante deste cenário, a prática do reúso de efluente de esgoto tratado permite que recursos hídricos de melhor composição sejam utilizados para fins mais nobres, trazendo benefícios ambientais, sociais e econômicos, bem como propiciar redução dos custos de produção agrícola, pelo grande potencial em fornecer nutrientes e matéria orgânica às plantas, auxiliando na promoção da agricultura sustentável e o desenvolvimento rural. Porém, podem ser verificados problemas, que segundo Vasudevan et al. (2010), são influenciados não apenas pela quantidade total de sais presentes na água, mas também pelos tipos de sais, e, a gravidade potencial dos problemas podem variar, dependendo do tipo de solo, do clima e da cultura.

No Brasil, o reúso na irrigação agrícola ainda é considerado uma prática recente, com destaque para áreas de cana-de-açúcar irrigadas com vinhaça, porém não há dados oficiais de quantidade de efluentes reutilizados. Várias pesquisas foram desenvolvidas no Brasil quanto à aplicação de água de diversas qualidades na irrigação agrícola, avaliando o efeito nas alterações dos atributos físicos e químicos do solo, desenvolvimento da cultura, dentre outros aspectos (RIBEIRO et al., 2012; URBANO et al. 2015; MALAFAIA et al., 2016). Já Israel reutiliza 85% os esgotos domésticos depois de tratados para irrigação, enquanto que a Espanha, que ocupa o segundo lugar na reutilização de água, é de 20% (KRAMER, 2016).

Se por um lado, a reutilização do efluente de esgoto tratado pode suprir em parte a falta de fontes d’água naturais para irrigação, por outro, a ausência de controle e regulamentação desta prática, como é o caso do Brasil, podem ocorrer mudanças físicas e químicas do solo, contaminação das plantas e trabalhadores e danos aos sistemas de irrigação, que de acordo com Silva et al. (2016), a presença de patógenos microbianos e de metais pesados pode limitar o uso destas águas no sistema agrícola.

Ao mesmo tempo, é indispensável à adoção da prática da reutilização da água, permitindo assim, melhores condições para a sustentabilidade de atividades produtivas, especialmente a indústria e a agricultura irrigada – desde que atendam requisitos mínimos de composição da água – que podem absorver grandes volumes, liberando águas de melhor composição física, química e microbiológica para o consumo humano, e com isso, amenizar conflitos pelo seu uso como verificado recentemente em muitas regiões do país, como na região metropolitana de São Paulo e Brasília.

Desta forma, objetivou-se com este trabalho, investigar as alterações nos atributos químicos em duas profundidades no perfil do solo, irrigado com efluente de esgoto tratado, fertirrigação convencional e água de poço, aplicadas por gotejamento e microaspersão, em área cultivada com banana cv. Grand Naine em condições de campo.

Autor: Delvio Sandri e Rodrigo de Rezende Borges Rosa.

solo-irrigado-com-efluente