Notícias

Novo processo de filtragem de água usa 1000 vezes menos energia

Publicado em 13/07/2017 às 10:55:03

Um novo processo para a filtragem de água usando dióxido de carbono consome mil vezes menos energia que os métodos convencionais, revelou uma pesquisa publicada recentemente.

A pesquisa foi conduzida pelo Dr. Orest Shardt da Universidade de Limerick, na Irlanda, juntamente com o Dr. Sangwoo Shin (agora na Universidade do Havaí, Manoa), enquanto eles eram pesquisadores de pós-doutorado na Universidade de Princeton (Estados Unidos) no ano passado.

Com a demanda global de aumento de água potável, existe uma necessidade contínua de melhorar o desempenho dos processos de tratamento de água. O Dr. Shardt espera que este novo método que usa CO2 possa ser aplicado em uma variedade de indústrias, como mineração, produção de alimentos e bebidas, fabricação farmacêutica e tratamento de água.

A pesquisa, publicada na revista científica Nature Communications, indica que o novo processo poderia ser ampliado facilmente, “sugerindo que a técnica poderia ser particularmente benéfica nos países desenvolvidos e subdesenvolvidos”. O novo método também pode ser usado para remover bactérias e vírus sem cloração ou tratamento ultravioleta.

“Estamos nos estágios iniciais do desenvolvimento deste conceito. Eventualmente, esse novo método poderia ser usado para limpar água para consumo humano ou para tratar afluentes de instalações industriais”, afirmou o Dr. Shardt.

Atualmente, as tecnologias de filtragem de água, como microfiltração ou ultrafiltração, usam membranas porosas para remover partículas suspensas e solutos. Estes processos removem partículas em suspensão, tais como o limo fino, forçando-as através de um material poroso com aberturas menores que as partículas. A energia deve ser desperdiçada para superar a fricção de empurrar a água através dessas pequenas passagens. Esses tipos de processos de filtração têm inconvenientes, como altos custos de bombeamento e necessidade de substituição periódica das membranas devido à incrustação. A pesquisa dos Drs. Shardt e Shin demonstra um método alternativo sem membrana para separar partículas em suspensão que funciona expondo a suspensão coloidal ao CO2.

Polímero de silicone

“O dispositivo de demonstração é feito a partir de um polímero de silicone padrão, um material que é comumente usado na pesquisa de microfluídica e semelhante ao que é usado em selantes domésticos. Embora ainda não analisemos os custos de capital e operação de um processo ampliado com base em nosso dispositivo, a baixa energia de bombeamento, que requer apenas 0,1% dos métodos convencionais de filtração, sugere que o processo merece mais pesquisas”, disse o Dr. Shardt.

“O que precisamos fazer agora é estudar os efeitos de vários compostos, como sais e matéria orgânica dissolvida que estão presentes em águas naturais e industriais para entender o impacto que terão no processo. Isso pode afetar nossa maneira de otimizar as condições de funcionamento, projetar o canal de fluxo e ampliar o processo”, explicou ele.

Traduzido e adaptado de Phys.

Fonte: Climatologia Geográfica.